Teatro Chapeuzinho Vermelho


No dia 25 de setembro de 2017, a equipe do Projeto Mão Amiga da Escola Professor José Moura, apresentou em suas dependências, a peça de teatro: “Chapeuzinho Vermelho”.
O teatro contou com cinco personagens: Chapeuzinho Vermelho, representada pela bolsista Nayara; a mãe de Chapeuzinho, interpretada pela bolsista Miriam; o Lobo Mau encenado pela bolsista Tatiane; a bolsista Ersoli, representou a vovozinha e o caçador foi interpretado pela bolsista Carla.
Essa atividade foi desenvolvida, como parte da comemoração do aniversário de 26 anos da escola, que ocorreu na data de 16 de setembro.
Teve como público, os alunos do Ensino Fundamental do 1º ao 5º ano e seus respectivos professores. As crianças ficaram encantadas com o teatro, mesmo sendo uma história bem conhecida, a encenação fez com que se tornasse real, sentir o carinho e a animação dos alunos em cada cena, para toda a equipe foi muito gratificante. A bela história da menina Chapeuzinho Vermelho, além de estimular a imaginação, ensina valores.
  A peça foi apresentada nos períodos matutino e vespertino, pois o interesse da equipe era representar para todos os alunos, para que tivessem a oportunidade de assistir e se encantar com o belíssimo conto.

Texto escrito pela Equipe de bolsistas da escola

Supervisora Eliane e bolsistas do subprojeto

Bolsistas no cenário do teatro
0

Contação da história do Pinóquio com confecção do personagem e cartão em homenagem ao Dia dos Pais na Escola Municipal Padre João Piamarta


As bolsistas acadêmicas Lais Susana Kurutz Asquidamini e Sonia Gonçalves Thibes da Luz, atuantes na Escola Municipal Padre João Piamarta, realizaram atividades diferenciadas com os alunos atendidos pelo Projeto Mão Amiga na referida instituição, em comemoração ao Dia dos Pais. Na oportunidade, o grupo de educandos foi convidado a embarcar no fantástico mundo da imaginação. Permitindo aos alunos perceber, que através das emoções repassadas pela contação de história, encontramos a felicidade, nos pequenos gestos em atitudes do dia a dia. Demonstrando que não fomos criados para vivermos isolados, mas para convivermos uns com os outros, cultivando os valores fundamentais: respeito, a obediência, o diálogo e a ajuda. 
Em comemoração ao Dia dos Pais, a atividade proposta aos educando foi a contação de história do livro o “Pinóquio” na versão de Leticia Dansa, sendo através de versos e imagens com ilustrações, que retratam a mesma madeira da montagem desse boneco, permitindo aos alunos que mergulhem nas estrambóticas aventuras de Pinóquio, onde ao final da história, enfatiza a convivência dos filhos com os pais. 
Os educandos que não apresentam a presença do pai biológico participaram normalmente da aula. Ficando para as acadêmicas bolsistas, abordarem com naturalidade do assunto através de uma conversa sobre as diferentes famílias existentes nos dias de hoje, deixando claro que o PAI homenageado, é quem nos dedica amor e carinho, independente dos laços consanguíneos.
Destarte, as acadêmicas bolsistas finalizaram o tema da história, através das seguintes perguntas: Como surgiu o personagem do Pinóquio? Em que momento seu nariz “cresce”/aumenta de tamanho? Por que sempre devemos dizer a verdade? No final da história o que acontece com os personagens: Pinóquio e Gepeto?
Após, o diálogo e as perguntas, houve uma melhor compreensão do tema, dessa forma, deu-se início as atividades lúdicas, com a confecção do cartão (Figura 01).
Para finalizar este tema as acadêmicas bolsistas, conduziram os educandos, na construção do boneco Pinóquio. Sua confecção foi com a utilização de palitinhos de picolé, possibilitando a identificação da forma do personagem (Figuras 02 e 03).
A relação entre a educação e sociedade, pode ser trabalhada em conjunto com os valores coletivos da escola e os valores da educação familiar. Dessa forma, se faz a união da organização da família com os objetivos da escola (PICANÇO, 2012).

REFERÊNCIAS

DANSA, L. Pinóquio/ Carlo Collodi: releitura em versos de Leticia Dansa: São Paulo: DIBRA, 2013.

PICANÇO, A. L. B. Família – As suas implicações no processo de ensino aprendizagem. Mestrado em Ciências da Educação – Supervisão pedagógica. Lisboa, maio de 2012.  Disponível em:  https://comum.rcaap.pt/bitstream/10400.26/2264/1/AnaPicanco.pdf Acesso em 04 de setembro de 2017. 
Texto escrito pela equipe de bolsistas.
Confecção do cartão para o dia dos pais, realizado pelos alunos do 1º ano participantes do Projeto Mão Amiga

Construção do boneco Pinóquio utilizando palitos de picolé

Boneco Pinóquio confeccionado pelos alunos
1

Bolsistas do Projeto Mão Amiga CAPES/PIBID, atuantes na Escola Guia Lopes, realizam "Jogo da Velha da Tabuada" com as crianças do projeto


O mês de setembro teve diversas temáticas, dentre elas, buscou-se reforçar a tabuada para os alunos do 4.º e 5.º anos.  Seguindo essa ideia as bolsistas Viviane Cândido da Silva e Adriele Caroline Krinski confeccionaram e aplicaram  o "Jogo da velha da tabuada". Este tem como objetivo desenvolver o raciocínio lógico, estratégias, concentração e cooperação por meio de regras na questão lúdica.
O jogo funciona da seguinte forma: Um aluno fica com a bolinha e outro com o "X" (como no jogo padrão), tiram par ou ímpar para vir quem começará e, só então, abrem a partida. A criança que iniciar deverá multiplicar 2 números da fileira (ex:2x3=6) e encontrar o respectivo resultado na tabela, encontrando-o, deverá colocar a peça nele e assim seguir até fechar uma linha vertical ou horizontal, vence aquele que completá-la primeiro. 
Nota-se que as crianças têm dificuldade com números, mas por meio do jogo é visível que isto pode ser mudado e o gosto estimulado. 
Percebe-se que os objetivos foram atingidos, uma vez que as crianças se divertiram e fixaram a tabuada, criando assim, gosto por calcular e cooperar com os colegas. Após as atividades lúdicas as crianças realizaram algumas atividades de registro no caderno.


Texto escrito pela bolsista Viviane Cândido da Silva.
Crianças Jogando
Aluna mostrando o jogo

Jogo da Velha da Tabuada
0

Bolsistas do Subprojeto Mão Amiga/ CAPES PIBID, da Escola Municipal Coronel David Carneiro iniciam o segundo semestre com atividades recreativas


As atividades exploradas no âmbito da Escola parceira Coronel David Carneiro, entre os dias 31 de julho e 02 de agosto de 2017, pelas acadêmicas bolsistas Nerli aparecida Baze e Ines Toploski sob a supervisão da professora Aline Nataly Wolf, teve como intuito promover atividades recreativas, envolvendo cores. Neste momento os alunos foram incentivado a experenciar a mistura das cores primárias para formar cores secundárias. Ainda com a tinta, coloriram uma guirlanda contemplando as cores formadas. Na sequência realizamos dinâmicas para tornar a aula ainda mais prazerosa. Com isso podemos perceber que:

Esse modo de trabalhar tem uma dinâmica própria que poderá ser transformada e adequada às diferentes realidades de cada turma, não se constituindo como método, mas como uma atitude pedagógica, que envolve a investigação do professor, atento ao seu grupo e ao conteúdo que quer ensinar. (MARTINS, 1998, p. 159)

Desta forma o retorno às aulas ocorreu de forma divertida, possibilitando aos educandos uma aprendizagem baseada em aula prática e dinamizada. Portanto, foi possível perceber a vontade dos pequenos em querer desenvolver todas as atividades propostas com muito entusiasmo e dedicação.

Referência: MARTINS, Mirian Celeste Ferreira Dias; PICOSQUE Gisa; GUERRA, M. Terezinha Telle. Didática do Ensino de Arte: a língua do mundo: poetizar, fruir e conhecer arte. São Paulo: FTD, 1998, (Cap.8 - p.152-191).

Texto escrito pela bolsista Nerli Aparecida Baze

Atividade Mandala

Cartaz sobre as cores

Dinâmica da Amizade

Lembrancinha de boas vindas aos alunos
0

Confraternização na Escola Jacintho Pasin


No dia 11 de julho de 2017 nas dependências da Escola Jacintho Pasin, aconteceu a confraternização de encerramento das aulas para o início das férias dos alunos que frequentam o Projeto Mão Amiga CAPES/PIBID.
Nesta confraternização as acadêmicas bolsitas Angelita F. de Paula Santiago, Jeanini Kaspczak, Luana dos Santos Cassol, Regiane T. Santos Ferreira e Thais Danielle Camargo realizaram atividades lúdicas, como: contação de histórias e ilustração das mesmas, o rabo do burro, dança das cadeiras e caracterização de rosto nos alunos.
As brincadeiras desenvolvidas tiveram o intuito de promover a interação, cooperação e respeito entre os alunos. Finalizamos a confraternização com a degustação de pratos típicos de festa junina. 

Texto escrito pela equipe de bolsistas da Escola Jacintho Pasin

Atividades

Confraternização
0

Aprendendo com Música! Acadêmicos bolsistas do Projeto Mão Amiga CAPES/PIBID, atuantes na Escola Municipal Melvin Jones, desenvolvem atividades através da Música.


Durante o mês de agosto os acadêmicos bolsistas Gisele Ietka Ribeiro, Jéssica Aparecida Damas da Silveira, Leticia de Fatima Lachowsk, Ricardo Rocha e Suzelene de Fátima Xavier Jaretz, elaboraram seus planejamentos a partir da temática música, ritmos e sons, orientados pela professora supervisora Amanda Grob. As atividades foram direcionadas a partir da musicalidade presente no dia-a-dia, desde os sons mais simples e comuns até as brincadeiras cantadas. Utilizando-se de metodologias lúdicas, jogos e brincadeiras ritmadas e a confecção de instrumentos musicais com sucatas.
As atividades propostas através do tema tiveram o objetivo de desenvolver a aprendizagem como um todo, visto que a música desperta a atenção, as emoções, a interação, a cultura e a sensibilidade, proporcionando assim, um viés de atividades através do estímulo ao desenvolvimento dos sentidos, da psicomotricidade, da arte e da alfabetização e do letramento.
Neste sentido advoga Brito (2003, p.46) “A educação musical não deve visar à formação de possíveis músicos do amanhã, mas sim à formação integral das crianças de hoje”. O mesmo autor nos esclarece que “aproximando-se da etapa do jogo com regras, a música passa a ser também um vasto domínio para a sistematização e a organização do conhecimento” (BRITO 2003, p. 42). Aprimorando-se desse saber a equipe de bolsistas do projeto Mão Amiga elaborou os seus planejamentos tendo como base músicas de diversos autores brasileiros e Cantigas Populares.
Entre as atividades realizadas com o tema, destaca-se a organização e a montagem de uma bandinha rítmica, através da interação dos acadêmicos bolsistas com os alunos participantes do projeto, utilizando-se dos instrumentos musicais confeccionados com sucata (chocalho, tambor e flauta).  A atividade objetivou desenvolver a oralidade, a socialização, a expressão corporal, a acuidade auditiva, a concentração e a atenção, assim como a coordenação motora fina e ampla. O resultado foi gratificante, alunos interagiram com alegria, além de aprender e se desenvolver brincando.
Podemos dizer que a psicomotricidade esteve presente de forma mais assídua e marcante nesse mês musical na Escola Municipal Melvin Jones. Pois como observa Le Boulch (1988, p.32), “Antes que a criança aprenda a ler [...] o trabalho psicomotor terá como objetivo proporcionar-lhe uma motricidade espontânea, coordenada e rítmica, que será o mesmo aval para evitar os problemas de disgrafia”. Visto que o foco do projeto Mão Amiga é trabalhar justamente com crianças com dificuldade de aprendizagem, trabalhar com eles a musicalização é um grande passo para ajudá-los a superarem suas dificuldades, diga-se de passagem, um passo forte, necessário e divertido.

Referências:
LE BOULCH, Jean. Educação Psicomotora: A psicocinética na idade escolar.2.ed. Porto Alegre; ArtMed, 1988.

BRITO, Teca Alencar de. Música na Educação Infantil: propostas para a formação integral da criança. São Paulo: Peirópolis, 2003.

Texto escrito pela bolsista Suzelene de Fátima Xavier Jaretz.

Interagindo com ritmos e chocalhos

Brincadeira rítmica com a cantiga Escravos de Jó 

Bandinha completa, interação entre as turmas

Bandinha com alunos do professor Ricardo e da professora Jéssica
0